Alejandro Marías

image

Alejandro Marías

Viola de gamba e violoncelo

Nascido em Madrid em 1984, Alejandro Marías iniciou os seus estudos de violoncelo com Mariló Cuesta, Enrique Correa e Maria de Macedo. Posteriormente estudou com Christophe Coin, Philippe Muller e Claudio Bohorquez; viola da gamba com Wieland Kuijken, Marianne Muller e Hille Perl e contactou com os violoncelistas Anner Bylsma e Jaap Ter Linden. Obteve os títulos superiores de violoncelo e viola da gamba no Real Conservatorio Superior de Música de Madrid com Miguel Jiménez, Josetxu Obregón e Pere Ros. Adquiriu os mestrados de violoncelo e viola da gamba na Haute École de Musique de Genève com Bruno Cocset e Guido Ballestracci. Especializou-se na interpretação histórica do repertório clássico e romântico com instrumentos originais no  Centre Européen de Recherche et Pratique Musicales (Saintes, França) e integrou a Jeune Orchestre Atlantique (2006-2009), a Académie Baroque Européenne d’Ambronay (2010) e a Orchestre Français des Jeunes (2010).

A carreira de Alejandro Marías, vocacionalmente compaginada com o ensino é prometedora e versátil não só porque trabalha com três instrumentos - violoncelo moderno, violoncelo barroco, e viola da gamba -, mas também pela diversidade de colaboração que tem desenvolvido com inúmeros agrupamentos profissionais na Europa, Israel, Argelia, Argentina e Boli. É director artístico do  ensemble barroco La Spagna e colaborador habitual do conjunto Zarabanda e é membro fundador do Cuarteto Francisco de Goya, uma formação dedicada à interpretação histórica do repertório clássico para quarteto de cordas.

Tem vindo a trabalhar com maestros como Philippe Herreweghe, Marc Minkowski, Ton Koopman, Bruno Weil, Sigiswald Kuijken, Hervé Niquet, Lucy van Dael, Paul Agnew, Enrico Onofri ou David Stern, e já gravou para a Warner e Columna Música assim como para diversas estações de rádio e cadeias de televisão na Europa e nos EUA.