Maria Luisa Baldassari

image

Maria Luisa Baldassari

Cravo

Apaixonada pela música antiga desde infância, Maria Luisa Bladassari desenvolve uma vida e uma carreira dedicadas ao cravo e a repertórios que vão desde a Idade Média até ao Barroco, com algumas digressões pelo pop e pelas músicas do mundo. Baldassari formou-se em piano, cravo, paleografia e filologia musical. Realiza uma tripla actividade como intérprete, musicóloga, organizadora e promotora de eventos musicais. Annaberta Conti, Gordon Murray e Bob van Asperen contribuíram para sua formação no cravo; é diretora do grupo Les Nations e com este grupo desenvolve vários projectos para o desenvolvimento e difusão de repertórios musicais ainda pouco divulgados, os quais gravou para CD e apresenta em Itália e no estrangeiro. É frequentemente convidada a colaborar com vários grupos e solistas (M. Larrieu, C. Rossi, A. Griminelli, B. Dickey) para realizar concertos em vários festivais na Itália, Suíça, Grécia, Áustria, França, Sérvia, Brasil, EUA e Canadá. Gravou para as editoras discográficas Echo, Tactus, Rivo Alto, Nuova Era e EMI. Dirigiu várias performances de Euridice de Jacopo Peri, considerada a primeira ópera já composta, encomendada pela Fundação Cassa di Risparmio di Padova e Rovigo. Já realizou várias conferências e concertos comentados, em particular sobre música para cravo do barroco francês e música sacra italiana do século XVII. Colabora em publicações de historiografia musical (em particular com a Nuova Rivista Musicale Italiana) e realiza edições críticas para o Ut Orpheus editora.É professora de cravo no Conservatório Rossini de Pesaro, onde dirige a programação artística relativa à música antiga e é presidente da Associação de Cravo e de Órgãos Classificados do Collegium Musicum, para a qual dirige a crítica de música sacra Os lugares do espírito.